Pré-candidato Ademar Simões tenta atrair fábrica de reciclagem e denuncia débito de R$ 30 mi da prefeitura com INSS

Ademar Simões visitou instalações da Plastsag, que se comprometeu em se instalar na cidade, e revelou ter acionado atual prefeito Nena no MPF.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

O pré-candidato a prefeito de Inhambupe, Ademar Simões (MDB), visitou nesta terça-feira (23) as instalações da Plastsag Transformação de Plástico Salgadália, no município vizinho de Conceição do Coité, no nordeste baiano, que se comprometeu a implantar uma unidade na cidade, que carece do serviço de coleta seletiva.

A região é conhecida pela qualidade dos seus lençóis freáticos, que alimentam fábricas de bebidas e o agronegócio, a exemplo das fazendas de cítricos e milho, mas estão ameaçados de poluição pelo lixão local. De acordo com o emedebista, caso seja eleito, um dos pilares do seu programa de governo é investir na reciclagem.

“Estive com o proprietário, Francisco Apolônio Ferreira, que se comprometeu em investir em uma unidade em Inhambupe. Está em nosso plano implantar a coleta seletiva, que vai ajudar no sistema ecológico, na saúde da população e a gerar empregos. Na verdade, se passaram quatro anos da atual gestão e, por exemplo, se perdeu a Gujão para Nova Soure por falta de interesse em buscar investimentos”, apontou o postulante.

Segundo Ademar, o atual gestor, Nena (PSD), “maquiou” os contratos, no que ele chama de “Máfia do Lixo”, cuja última licitação foi assinada há aproximadamente duas semanas, por um valor superior a R$ 220 mil, sem previsão da coleta seletiva, e até agora sem publicação no Diário Oficial do Município.

“O próprio valor é uma incógnita. Antes era R$ 221 mil e agora fala-se em R$ 260 mil. Eles chegaram a pagar R$ 39 mil pelo serviço de reciclagem, mas mascararam tudo e depois expulsaram a empresa. Pegaram os garis e jogaram em uma cooperativa para não pagar contribuição social. Agora, na véspera da eleição, querem assinar as carteiras dos garis por três meses”, denunciou Ademar.

Conforme Simões, o problema no recolhimento ao Instituto Nacional do Seguro Social não se resume à área de limpeza urbana, mas, sim, impacta todo o funcionalismo público e prejudica os servidores da cidade.

“A prefeitura está desmantelada. Deve mais de R$ 30 milhões ao INSS. Eu já acionei o Ministério Público Federal, que está analisando a denúncia. Eu tenho todos os documentos que comprovam a irregularidade e, nos próximos dias, tudo virá a público”, avisou o pré-candidato.

Fonte: Por Bahia Jornal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *